Pecuária de Corte

Calendário Sanitário para Gado de Corte

Maio Aftosa para todo o rebanho, Clostridiose de 0 a 1 ano, Brucelose, em fêmeas de 3 a 8 meses
Junho Clostridiose reforço para animais de até 1 ano;
Julho Verminose e Clostridiose para todo o rebanho;
Setembro Verminose para todo o rebanho;
Novembro Aftosa para todo o rebanho e Brucelose, em fêmeas de 3 a 8 meses;
Outras Raiva em regiões com problema a vacinação é obrigatória um vez por ano, IBR, Botulismo e Leptospirose em caso de diagnóstico positivo, Verminose opcional janeira ou fevereiro para bezerros até 1 ano

Fonte Fundepec São Paulo


Raça Angus

A origem da raça Angus é especulativa. Há quem acredite que a formação se deu a partir de uma raça mocha da Inglaterra, outros defendem a idéia que a formação se deu a partir de uma mutação de uma raça primitiva da Escócia, de coloração negra e aspecto carnudo, encontra-se em fase de franca expansão em todo o Brasil, ganhando espaço dentro do contexto da pecuária de corte, bem como em projetos de Cruzamento Industrial, onde imprimi uma terminação precoce e qualidade de carne superior. Os animais apresentam bom rendimento de carcaça (em torno de 52%). Sua carne é reconhecida como a melhor em todo o mundo, com base nas características de maciez, suculência e marmoreio, tornando portanto as perspectivas de comercialização as melhores possíveis.





Raça Blanc-Bleu-Belge

 É a raça "Azul" da Bélgica, formada pelo acasalamento do gado nativo Belga com a raça Durham ou com o Charolês. Apresenta sempre musculatura dupla no posterior, o que é uma marca da nova raça. Rapidamente, ganhou o nome se "Super boi", despontando como uma inovação no mercado de carnes no mundo. A pelagem pode ser branca, ruã, azulada e até preta. Os chifres são cinzentos na base, arqueados para frente com pontas negras erguidas. A carcaça é ideal para retaliação, produzindo até 20% a mais que outras raças e com 10% a menos de ossos. São normais rendimentos de carcaça acima de 70%. No Brasil, alguns cruzamentos foram feitos com Nelore, não havendo problemas de parto.


Raça Blonde D´Aquitaine

 

Na modernidade, a raça Blonde d'Aquitaine resultou de uma fusão entre as raças Garonne, Quercy e Blonde des Pyrénées. As três se transformaram em uma!O animal de grande porte, apto para o trabalho, com excelente taxa de crescimento vem cedendo lugar a um formidável animal de corte.O rendimento de carcaça é muito bom, acima de 60-65%, com carne muito apreciada, levando a raça a ganhar, constantemente, novos mercados.

 

 


Raça Bonsmara

O Bonsmara é uma raça funcional, saudável e fértil. É uma alternativa viável ao gado Zebu para o aumento da eficiência de produção de carne nas regiões  do mundo    que necessitem de adaptação ao clima quente.Todas as características identificadas como sinônimo de boa adaptação,


 

 

Raça Braford


A raça foi formada na Flórida pelo cruzamento entre Brahman e Hereford. É uma raça dócil, rústica, precoce, resistente e de alto rendimento de carcaça. No Brasil, os cruzamentos de Hereford com Nelore, Tabapuã e outras raças zebuínas têm sido realizados com sucesso, há longo tempo no rio Grande do Sul, e recebem a denominação de Braford, Pampiana Braford ou Santa Clara. Provavelmente, a raça formada por estes cruzamentos passe a ser denominada apenas por Pampiana, enquanto o nome Brangus indicará, especificamente, a raça formada pelo cruzamento de Hereford com Brahman

 



Raça Brahman


É a raça zebuína melhorada nos Estados Unidos, sua formação iniciou com a importação de gado brasileiro com predominância da raça Guzerá e algumas evidências indicam, também a participação das raças Gir e Nelore. É uma raça utilizada em diversos cruzamentos com raças européias (Devon, Hereford, Angus, Charolês, Limousin, Simental, Chianina, e outras).


Raça Brangus

 

Raça formada pelo cruzamento entre Brahman e Aberdeen Angus. O gado é mocho, com pequena giba entre o pescoço e as espáduas. Coloração negra com algumas pintas brancas na região umbilical. A carne, como no Aberdeen Angus, é bem marmorizada.


 




Raça Canchim


Produto do cruzamento do Charolês com o Zebu (Indubrasil, Guzerá ou Nelore). A pelagem é creme, uniforme, com pêlos curtos e a pele escura. Nas regiões de alta insolação, admite-se o gado com pelagem acinzentada. Gado rústico, precoce, com bom ganho de peso e produz carne de boa qualidade.



Raça Caracu
 
 


É o gado europeu mais adaptado ao clima tropical, pois está presente no Brasil desde o período colonial. Esta raça descende de bovinos portugueses (Minhota e Alentejana), por meio de cruzamentos. No início a pelagem era a mais variada possível. Hoje, a pelagem é amarela, variando até o vermelho, evitando-se pêlos negros e brancos. O Caracu é considerada uma raça de dupla aptidão que surge como excelente opção nos cruzamentos, devido a sua secular adaptação aos trópicos. Os touros são capazes de cobrir as vacas em regime de pasto, sendo uma das poucas raças européias com bom desempenho para utilização em monta natural nas condições tropicais.





Raça Charolês


Os animais são grandes e pesados com amplas massas musculares e alto rendimento de carcaça. A pelagem é branca ou creme (amarelo claro) com reflexos amarelados. A pele não é pigmentada, nem as mucosas, o focinho, os cascos e os chifres, sendo ideais para o clima temperado. Os chifres nascem lateralmente, encurvando-se para frente e para cima na extremidade. A carne é de excelente qualidade, com pouca gordura superficial, embora bastante marmorizada internamente, com rendimento de carcaça entre 58 a 65% a pasto e entre 65 a 70% em confinamento. Em programas de cruzamento, o uso do Charolês é quase obrigatório.

 


Raça Devon
 


O Devon ou Dévon do Norte, ou "Rubi" ou ainda "Rubi do Oeste" pode ser considerado uma das mais antigas raças do Reino Unido (Ilhas Britânicas), sendo nativo do sudoeste da Inglaterra. Apresenta coloração vermelho-cereja escuro, podendo apresentar manchas mais escuras. A pele é alaranjada, com pigmentação muito visível ao redor dos olhos e do focinho. Os chifres são medianos, voltados para cima e para fora, de cor branca com pintas negras. Hoje a raça dividiu-se em Devon do Norte e Devon do Sul, sendo a segunda mais rústica. No Brasil tem sido sugerida a formação da raça sintética Bravon (Devon x Zebu) para criação nas regiões tropicais.

 


 

Raça Gir 

Segundo sugestões da literatura sagrada hinduísta (Santos, 1998), talvez seja a raça zebuína mais antiga do planeta. A coloração popular é a de fundo claro ("branco-sujo") com pintas avermelhadas ("chitas"), ou a de fundo vermelho com pintas claras, variando por vários tons entre amarelo e vermelho-escuro. As orelhas são pendulares, semelhantes a "folha seca", formando uma dobra característica na extremidade, voltando para dentro. Os chifres são voltados para fora, para baixo e para traz. A giba ("cupim") é bem saliente nas fêmeas e avantajada nos machos. Quanto a aptidão, existem dois tipos de Gir: o leiteiro e o de corte.


Raça Guzerá
 



É uma raça de grande porte, com pelagem "azulega" (cinza azulado), sendo escuros o posterior e as extremidades do animal (face, patas e cauda). Os chifres são em forma de lira (para cima, abertos e fechados para dentro). As orelhas são medianas com estreitamento característico nas pontas. O Guzerá se destaca como a raça zebuína mais versátil na atualidade. Sendo usada tanto na pecuária leiteira em cruzamentos com o Girolando, como na de corte em cruzamentos com raças européias ou formando o cruzado Guzonel (Guzerá x Nelore) que são notáveis vacas-criadeiras (devido a alta habilidade materna do Guzerá). No Brasil, o Guzerá está presente, principalmente, no nordeste, sendo a única raça que sobreviveu, produtivamente, aos cinco anos de seca (1978 a 1985). Também é muito criada no Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Goiás.



Raça Hereford
 


Prevalece a pelagem vermelha e branca (totalmente vermelho, com cabeça, peito, região abdominal, parte inferior dos membros, faixa estreita no dorso e vassoura da cauda brancos). A pele e o focinho não são pigmentados. A cara branca é dominante e transmitida aos produtos de cruzamento, independente das raças utilizadas. É um gado de pastoreio e engorda em campos de boa qualidade. A aptidão principal do Hereford é a produção de carne. No entanto, não é tão precoce como a Shorthorn nem acumula mais gordura que a Abeerden Angus, mas é extremamente resistente às condições adversas, tanto ou mais que qualquer outra raça européia.


Raça Indubrasil



É a primeira raça neozebuína do mundo, foi formada pelo cruzamento entre Guzerá e Nelore (1890 a 1920) e com introdução da raça Gir entre 1911 e 1920. Apresenta grande porte, habilidade para longas caminhadas e matrizes eficientes. A pelagem é branca, amarela, cinza ou vermelha, podendo apresentar a frente, o posterior e as extremidades escuras. Os chifres são medianos, saindo para fora, para trás, para cima e para dentro. A pele é negra, as orelhas são longas, pendulares, com face interna voltada para frente e as extremidades curvadas para dentro. É a raça bovina com orelha mais comprida no mundo. Atualmente, o hábitat está restrito ao Nordeste e a Minas Gerais, pois as fêmeas Indubrasil continuam sendo procuradas como base em cruzamentos. É a raça brasileira mais difundida no exterior, com rebanhos na maioria dos países latino-americanos e nos Estados Unidos.


 


Raça Limousin
 


Raça nativa da província de Lemosím ou Limousin, no sodoeste da França. A pelagem é de coloração amarelo-claro com áreas mais claras em torno dos olhos, focinho, ventre, períneo e extremidades dos membros. Apresenta grande massa muscular e alto rendimento de carcaça, devido a sua origem francesa, onde os animais eram selecionados para dupla aptidão (tração e carne). A raça se destaca pela alta precocidade (abate aos 15 meses com peso entre 400 e 450 kg), qualidade e homogeneidade de carcaça. Atualmente, é a raça européia de corte de maio destaque no Brasil, sendo a de maior


Raça Marchigiana
 


Originária de regiões montanhosas, na Itália. Apresenta pêlo curto e branco, chegando até o cinza claro, com vassoura da cauda, orelhas e pestanas escuras. A pele é pigmentada, sendo negros a língua, o focinho e orifícios naturais. Os chifres são amarelados na base, brancos na parte mediana e negros na extremidade. É uma das poucas raças européias de corte com pelagem branca sobre pele escura, tornando-a bastante indicada para cruzamentos nas regiões tropicais. Cerca de 79% do rebanho brasileiro de cruzados Marchigiana está no Sudeste e Centro-Oeste.


 

Raça Nelore



Raça de coloração branca ou cinza claro. Também, admite-se a pelagem vermelha, vermelho e branco, e, preto e branco. Os chifres são curtos, as orelhas também e com pontas em forma de lança. É a raça de maior contingente no Brasil, representando cerca de 70% dos animais zebuínos registrados. No Brasil foi desenvolvido o Nelore Mocho, a partir do Mocho Nacional (raça européia adaptada). A raça Nelore esta presente em todo território nacional, principalmente no Centro-Oeste.



 

Raça Pardo-Suíço 

É a raça mais antiga da suíça e uma das mais antigas do mundo. Apresenta grande porte, coloração parda, variando do muito claro ao muito escuro, e pele pigmentada. A mucosa do focinho e orifícios naturais são negros. Os chifres são brancos com pontas negras crescendo para fora e para frente com as pontas voltadas para cima. É reconhecida pela sua capacidade de adaptação em regiões de clima quente, devido a sua tolerância ao calor, por se originar de regiões elevadas (Alpes) onde a radiação ultravioleta é muito intensa e o oxigênio é rarefeito. É a segunda raça leiteira, mas linhagens originais foram selecionadas para produção de carne no Canadá e México. A raça Pardo Suíço de corte apresenta pescoço mais curto, acentuada cobertura muscular, carne marmorizada e boa habilidade materna, devido a maior lactação das fêmeas. Devido às suas qualidades de produção de leite e carne, precocidade, longevidade, rusticidade e adaptação, a Pardo Suíço vem sendo utilizada, no Brasil, em diversos cruzamentos com Girolando, Guzerá, Indubrasil e Gir para leite, e com o Nelore, formando o Sibu, objetivando a produção de carne.



Raça Santa Gertrudis
 

Raça composta de Shorthorn com Brahman, formada no Texas (EUA) para obter animais de alta produtividade e rusticidade, que se adaptassem às duras condições climáticas do sul dos EUA. É a primeira raça composta formada no hemisfério ocidental. A pelagem é vermelha uniforme, ou cereja. A pele é de pigmentação vermelha. Os pêlos são curtos e lisos, os cascos são escuros. As orelhas são medianas, ligeiramente caídas, abertas para frente. Os touros Santa Gertrudes têm sido utilizados em Mato Grosso e Goiás (locais onde a temperatura pode atingir 44oC) para cruzamento industrial com fêmeas cruzadas Angus-Nelore ou Simental-Nelore.


Raça Simbrasil




É resultado do cruzamento entre Simental e Guzerá (ou outras raças zebuínas). Visa atingir os grandes rebanhos de corte de Nelore ou de animais "anelorados" para a formação de animais tricross (touro Simbrasil cruzado com vacas Nelore). A coloração é avermelhada com manchas brancas ou amareladas. Apresenta grande futuro devido à versatilidade da raça.






 Raça Shorthorn 



Originada dos gados antigos do nordeste da Inglaterra, foi utilizado em vários países formando muitas raças bimestiças. Apresenta pelagem vermelha, ruã ou branca, a pele é de cor creme clara sem pigmentação, os chifres são curtos, cerosos, saindo lateralmente e para frente. É uma raça altamente especializada para corte, destacando-se pela precocidade e engorda rápida, também existindo a variedade leiteira. No Brasil o Shorthon ocupa uma área restrita de clima temperado, não tendo a fama que desfruta nos países vizinhos como Uruguai e Argentina.




Raça Tabapuã

Oriundo de descendentes de antigos cruzamentos de Mocho Nacional com zebu (vacas Nelores ou Guzerá). A coloração é a do Nelore (branca ou cinza claro), as orelhas são medianas, com a ponta rombuda voltada para a face. É uma raça que se destaca pela precocidade e boa conformação de corte. Tem sido muito empregada em cruzamentos com Nelore, com Holandês e, principalmente, com raças européias de clima temperado brasileiro na região Sul.



Voltar