jul 28 2017

PF, Receita e MPF deflagram operação contra frigorífico de MS


A Polícia Federal, a Receita Federal e o Ministério Público Federal deflagraram nesta sexta-feira a segunda fase da Operação Labirinto de Creta, que apura o envolvimento de frigorífico de Mato Grosso do Sul, que teria sonegado cerca de R$ 350 milhões em encargos trabalhistas e previdenciários. O nome do frigorífico não foi divulgado, mas, segundo investigadores, trata-se do Grupo Frigolop, que também vem sendo investigado pelos crimes de falsidade ideológica, estelionato qualificado, fraudes previdenciárias, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Cem policiais federais, 18 auditores fiscais e 14 analistas da Receita Federal cumpriram 15 mandados de busca e apreensão em residências dos investigados e empresas ligadas e vinculadas à “organização criminosa” na capital Campo Grande, em uma cidade do interior sulmatogrossense – Terenos (MS) – e em São Paulo. As investigações vinham se desdobrando desde 2011, informou a PF.

Apesar de não citar o nome da empresa, a Receita explicou em nota que se trata de um grupo econômico com elevado faturamento e que se utilizava de suas empresas para a sonegação de “altos valores. Os bens adquiridos, frutos da sonegação fiscal, segundo a Receita, estavam em nomes de “laranjas” ou de empresas criadas para esse fim.

A PF também informou que foram apreendidos itens de luxo de posse dos investigados, como dois veículos Porsche, uma televisão avaliada em R$ 89 mil e uma adega que vale R$ 700 mil. E dentro de uma Bíblia, foram encontradas dezenas de cédulas de R$ 50.

O nome da operação tem origem na mitologia grega e faz referência a um labirinto que existia na cidade de Creta, com vários percursos, construídos com a intenção de desorientar quem os percorria e abrigava o lendário Minotauro.

A primeira fase da operação foi deflagrada em novembro de 2014, tendo como foco outro grupo empresarial, também do ramo frigorífico. Em razão da primeira ação, um empresário do setor foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro.