ago 12 2021

Alta no preço da carne é “estrutural” e veio para ficar, aponta JBS


A alta nos preços da carne bovina, que passa de 34% no acumulado em 12 meses segundo os números do IPCA, é um fenômeno “estrutural” e que deve se manter ao longo do dos próximos anos.

A avaliação foi feita nesta quinta-feira (12/8) pelo presidente da JBS na América do Sul, Wesley Batista Filho, durante teleconferência com analistas e investidores para reportar os resultados da companhia no último trimestre.

“Sem dúvida nenhuma, teve uma mudança estrutural no cenário de custos de matéria-prima no Brasil em todas as proteínas. A gente vê o mesmo cenário em grãos e em gado. E isso refletiu um aumento no preço dos nossos produtos. Parte disso foi repassado pro consumidor”, avaliou o executivo ao destacar que a JBS vê “um cenário, em geral, de proteína mais cara no Brasil”.

Ainda de acordo com ele, a alta nos preços não impactou as vendas da companhia, que tem registrado aumento da demanda por processados e industrializados, bem como na comercialização de aves e suínos por meio da marca Seara. “Frangos e suínos são produtos que têm uma competitividade boa, e temos visto uma boa demanda pra todos esses produtos”, pontuou Bastista Filho.

No segundo trimestre deste ano, a JBS Brasil registrou receita líquida de R$12,7 bilhões, 46% maior que o observado no mesmo período do ano passado. A avalição do presidente da companhia é de que o resultado reflete o bom desempenho das vendas mesmo com o repasse da alta dos custos de produção.

“A gente tem visto que, apesar desse cenário de mudança de custo na matéria-prima e de preço de proteína, a demanda pelos nossos produtos tem sido boa e temos conseguido fazer volumes recordes no mercado doméstico”, completou Bastista Filho.

Globo Rural