ago 23 2021

Exportação de carne deve retroceder 3,1% em 2022


A exportação de carne bovina do Brasil deverá retroceder 3,1% em 2022 frente a este ano e atingir 2,8 milhões de toneladas, em equivalente carcaça, segundo previsões de Safras & Mercado. Neste ano, os embarques devem ficar em 2,9 milhões de toneladas.

O analista de Safras & Mercado, Fernando Iglesias destaca que o desempenho nos embarques tende a ser mais discreto no próximo ano, com a China não atuando de forma tão agressiva nas importações da proteína animal. “Isso não quer dizer que a China deixará de comprar carne bovina do Brasil, apenas que ela atuará de maneira mais comedida, em razão do processo de recomposição do rebanho suíno frente à peste suína africana”, projeta.

As importações de carne bovina do Brasil no próximo ano devem ser 7,8% inferiores às projetadas para este ano, de 46,7 mil toneladas, atingindo volumes de 43,1 mil toneladas.

Iglesias sinaliza que o Brasil deve produzir em torno de 8,501 milhões de
toneladas de carne bovina em 2022, com um crescimento de 2% frente ao volume estimado para este ano, de 8,334 milhões de toneladas, com o aumento na oferta de animais de reposição e, por consequência, do volume de animais abatidos.

O analista acredita que sejam disponibilizadas no mercado interno em torno de 5,8 milhões de toneladas de carne bovina em 2022, avanço de 4,6% na comparação com as 5,510 milhões de toneladas esperadas para este ano. “Com melhorias da oferta em um cenário de demanda externa não tão aquecido, é possível que haja uma inversão da curva de preços em toda a cadeia pecuária, atingindo também a carne bovina. A queda dos preços da carne bovina deve produzir consequências sobre a demanda das demais proteínas de origem animal, uma vez que a carne bovina é a proteína de preferência entre os consumidores brasileiros”, finaliza.

Abates

Os abates de bovinos no Brasil em 2022 devem atingir 31,7 milhões de cabeças, segundo projeções de Safras & Mercado, com um incremento de 2,2% frente ao volume previsto para este ano, de 31 milhões de animais.

Safras destaca que se o volume esperado para este ano for confirmado,
haverá uma retração de 1,6% perante os 31,741 milhões de bovinos abatidos em 2020.

O analista Fernando Iglesias destaca que os últimos dois anos foram marcados pela redução dos abates, com disponibilidade reduzida de animais de reposição somado ao processo de retenção de fêmeas em função do salto dos preços. “Para 2022 o processo de retenção de fêmeas
vai ser traduzido em avanços da oferta de animais de reposição e por
consequência em aumento do volume de animais abatidos e da produção de carne bovina”, afirma.

Canal Rural