ago 4 2021

Frio e geada contínuos podem elevar custo da produção de leite


O frio extremo da última semana e as geadas frequentes no Rio Grande do Sul preocupam os produtores de leite do Estado. Mesmo com a resistência das pastagens à época, a continuidade dos eventos climáticos pode influenciar nos custos de produção da atividade. A avaliação é da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando).

Segundo o presidente da entidade, Marcos Tang, o produtor trabalha com as pastagens e o inverno costuma ser uma boa época, pois o azevém é resistente ao frio, mas a um frio moderado. “Ele precisa de suas horas de luz e de água. Quando temos frios extremos por uma ou duas semanas de geadas fortes, essa pastagem não reage. Mesmo que ela não morra, ela não brota e não conseguimos fazer essa rotação como de costume, com o animal voltando em dez a 15 dias à pastagem, ou retarda o corte para fazer o pré-secado ou feno, que é quem leva a pastagem para o cocho. Essa planta ficará parada no seu desenvolvimento”, observa.

Com isso, a preocupação com os custos de produção do gado leiteiro também repercute na propriedade. Conforme Tang, em casos como estes, é necessário aumentar a suplementação. “Com isso temos que tratar mais no cocho, comprar mais insumos e o custo de produção aumenta. É desta forma que o frio extremo e a geada afetam os custos, pois não tendo as pastagens os animais não podem ficar sem comida, tem que comprar outros insumos para poder oferecer aos animais”, destaca.

O Presente Rural