jan 8 2021

Boi gordo: oferta restrita de animais deve durar até março, afirma Safras


O mercado físico de boi gordo teve preços mais altos em algumas regiões nesta sexta-feira, 8. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere pela continuidade do movimento de alta no curto prazo, em linha com o cenário pautado pela restrição de oferta.

“A disponibilidade de animais terminados tende a permanecer restrita até meados de março, consequência do atraso da entrada de animais de safra no mercado após a estiagem prolongada que afetou todo o Centro-Sul do país”, diz Iglesias.

Como ponto de inflexão, há de se considerar a situação da demanda doméstica de carne bovina, bastante deprimida no início do ano, com a incidência de IPTU, IPVA e a compra de material escolar achatando o poder de compras das famílias. Além disso, o término do auxílio emergencial afetará o consumo de produtos de base.

Em São Paulo, Capital, a arroba do boi ficou a R$ 280, ante R$ 277 a arroba na quinta. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 270, estável. Em Dourados (MS), a arroba subiu de R$ 265 para R$ 268. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 256, inalterada. Em Uberaba, Minas Gerais, o valor chegou a R$ 275, ante R$ 272.

Atacado
No mercado atacadista, os preços seguem firmes. Conforme Iglesias, a tendência de curto prazo ainda remete a uma pontual alta dos preços. “No entanto esse movimento tende a perder intensidade à medida que o varejo recompõe seus estoques. A situação do consumidor médio vai ter grande peso a partir da segunda quinzena do mês. Com uma evidente descapitalização, aumenta a procura por proteínas mais acessíveis a exemplo da carne de frango e dos ovos de galinha”, assinala.

Com isso, o corte traseiro permaneceu em R$ 20,50 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 14,50 o quilo, estável, enquanto a ponta de agulha seguiu em R$ 14,70 o quilo.

Canal Rural