dez 29 2020

Agrofloresta, saída para agregar valor


A paisagem e a economia do município de Timburi estão prestes a passar por uma metamorfose. Encravada na Área de Proteção Ambiental (APA) Tejupá, no sudoeste paulista, a cidade foi escolhida pela consultoria Pretaterra para um projeto de desenvolvimento de sistemas agroflorestais que pretende ocupar, inicialmente, 100 hectares. Para concretizar os planos, que começaram a ser desenvolvidos neste mês, a empresa recebeu um apoio de R$ 3 milhões, a fundo perdido, da UBS Optimus Foundation, braço de filantropia do suíço UBS, maior instituição de private banking do mundo.

Cerca de 30 pequenos produtores rurais espalhados por essa área receberão apoio da consultoria para o desenvolvimento de diversos modelos agroflorestais, tendo a cafeicultura como carro-chefe. Mas os benefícios do projeto tendem a transbordar para além desses agricultores e alcançar mais de 200 famílias, ao dinamizar cadeias produtivas próximas e até outros setores locais, como o turismo ecológico.

Quatro modelos de intervenção foram elaborados para a região. O principal deles tem foco no café, que será produzido em linhas entremeadas com outras culturas e com sombreamento. A região é considerada apta ao cultivo do grão pela topografia montanhosa, que foi justamente um dos fatores que a mantiveram por muito tempo distante da expansão urbana e da cobiça do agronegócio monocultor.

Para garantir a geração de renda dos produtores, a Pretaterra já vem realizando contatos com compradores da Holanda, entre outros países europeus, interessados em cafés cultivados em agroflorestas. A ideia é aprimorar as técnicas de pós-colheita para agregar valor ao produto.

Um segundo modelo, também agroflorestal, é de silvicultura. Serão escolhidas madeiras nativas, de ciclo longo, de árvores cultivadas em modelos biodiversos, junto com produções não madeireiras, como mel. O plano é aplicar esse modelo nas reservas legais dos imóveis. E, com produtores que já trabalham com pecuária, a consultoria quer desenvolver sistemas agrossilvopastoris, semelhantes à integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

Segundo a Pretaterra, um quarto modelo, mais ligado à restauração florestal, deverá promover a recomposição de vegetação nativa nas áreas de proteção permanente (APPs), principalmente próxima a nascentes. O reflorestamento em Timburi é também chave para o Aquífero Guarani, já que o terreno poroso da região viabiliza sua recarga hídrica.

A primeira fase, que prevê o plantio de 100 mil árvores, deverá durar 18 meses e promover a fixação de mais de 50 mil toneladas de gás carbônico em 20 anos. A Pretaterra almeja alcançar mais 1.000 hectares em uma segunda fase, ainda em definição.

A ideia é que o projeto em Timburi seja o pontapé inicial de um plano agroflorestal mais amplo, capaz de formar um corredor ecológico ao longo do rio Paranapanema - que marca a fronteira de São Paulo com o Paraná - até próximo do sul de Mato Grosso do Sul.

O desenvolvimento de modelos agroflorestais na Mata Atlântica, bioma brasileiro que mais perdeu cobertura florestal, povoava há tempos os planos de Paula Costa e Valter Ziantoni, sócios da Pretaterra. “Timburi já tem agricultura familiar e remanescentes florestais. Quando tratamos de recuperação de paisagem, temos que pensar de maneira estratégica. A estratégia foi começar por onde já tem alguns passos”, afirma Costa, que é engenheira florestal.

Com os novos modelos de produção, a dupla espera também fomentar o desenvolvimento regional. “Em geral, a visão de desenvolvimento das lideranças locais é trazer microindústria. Queremos mostrar que a pré-disposição rural do município traz valor com produtos e valor agregado e com agrofloresta”, diz Ziantoni.

Fonte: Valor Economico