out 27 2020

Agrifatto prevê novas altas para valor da arroba até o fim do ano


O preço do boi gordo no indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) atingiu R$ 270,50 pela primeira vez na história. Representando uma alta de 5,4% para o mês de outubro e 30,7% no ano. De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), nas quatro primeiras semanas do mês foram exportadas 130,6 mil toneladas de carne bovina. Caso o ritmo seja mantido nesta semana, o total exportado no mês pode ultrapassar o recorde histórico de 171 mil toneladas.

De acordo com Yago Travagini analista de mercado da Agrifatto Consultoria, há uma expectativa de que o recorde de exportação seja quebrado em outubro. “Tivemos um bom volume exportado nas últimas semanas, atingimos um volume diário médio de 8.100 toneladas por dia. Considerando o volume exportado nas últimas três semanas, temos uma perspectiva de que essa tendência continue e ultrapassemos esse recorde. Seria aumento que pode chegar a 2% frente ao acumulado do ano passado, mas a média diária deste ano é em torno de 25% maior”, diz.

A consultoria prevê novas altas para o valor da arroba, apesar do cenário atual se apresentar inédito para o mercado brasileiro. “Estamos navegando em mares que não havíamos navegado antes. Não imaginávamos que os patamares estariam nestes valores há cinco meses. Acreditamos que o preço da arroba possa atingir R$ 280, mas nunca vimos algo do tipo. Em um momento de escassez ainda mais intensa, que pode acontecer, veríamos a arroba em valores até maiores, mas de um ponto de vista mais prudente e mais realista, prevemos o valor em torno de R$ 280 nos próximos dois meses”, afirma Yago Travagini.

Segundo o analista, o aumento da demanda interna por conta das festas de fim de ano e o recebimento do 13º salário, aliado a menor oferta de animais confinados são os principais fatores que podem fazer com que o preço da arroba atinja os R$ 280.

“Um aumento da arroba próximo a R$ 300 se mostra mais difícil porque a população ainda está descapitalizada. Estamos vivendo uma crise econômica, o auxílio emergencial já foi reduzido e há uma perspectiva que ele termine no ano que vem. Por conta desses fatores, acreditamos que não há fôlego para esse preço atingir R$ 300. Pode acontecer? Pode, mas seria algo que nós ainda não estamos visualizando em nosso radar”, finaliza Travagini.

Fonte: Canal Rural