out 23 2020

Apetite da China por carne bovina veio para ficar, diz Marfrig


As importações de carne bovina da China devem seguir crescendo em meio a um contínuo aumento de demanda, de acordo com a segunda maior produtora do mundo.

Embora alguns observadores do mercado comecem a questionar se as importações de carne chinesas continuarão a aumentar com a rápida reposição de seu plantel de suínos, a Marfrig Global Foods diz que o efeito da peste suína africana sobre a demanda de carne bovina pela China deve permanecer até 2022. Depois disso, a demanda continuará crescendo com a mudança da população rural para as cidades.

“Tudo indica que o fenômeno China veio para ficar”, disse Miguel Gularte, diretor-presidente da Marfrig, em entrevista. “Cada 100 gramas de aumento per capita no consumo chinês são 2 mil toneladas de importação a mais. A demanda vai continuar crescendo com maior distribuição de renda e urbanização.”

O potencial fica claro quando se compara o consumo per capita de carne suína chinesa, de 47 quilos por ano, com o consumo de carne bovina, de 5 quilos, segundo Gularte.

Embora números recentes mostrem uma rápida recuperação do plantel suíno chinês, a oferta de carne suína deve continuar caindo no próximo ano. O país asiático ainda será o maior cliente da oferta da América do Sul. A China responde por mais de 70% das exportações de carne bovina da região e por cerca de 60% do Brasil.

Os embarques de carne bovina do Brasil desaceleraram no mês passado. Os valores em dólar caíram em relação ao ano anterior pela primeira vez em 2020, incluindo para a China, segundo dados do governo.

Economias emergentes, impulsionadas pela desvalorização cambial, continuarão a desviar grande parte da produção para o mercado externo. No Brasil, as fortes exportações ajudarão processadores de carne a compensar a queda da demanda doméstica em meio à crise econômica e ao fim do auxílio mensal que ajudou a sustentar o consumo de alimentos, disse o executivo.

Até agora, o programa de auxílio emergencial está “funcionando bem”, o que ajuda a apoiar a demanda no atacado, enquanto as vendas em food service mostraram forte recuperação. Nas últimas duas semanas, atingiram 90% da média diária de vendas da Marfrig antes da pandemia de Covid-19, de acordo com Gularte. O amplo programa do governo, que beneficiou cerca de 30% da população, expira no fim do ano.

“Qualquer excedente de oferta será direcionado para exportação, e quando você fala em exportação se refere à China.”

Fonte: Moneytimes