out 26 2020

Gestão da informação para um bom sistema de cria


A pecuária de corte é caracterizada por três fases bem distintas – cria, recria e engorda. A etapa de cria, responsável pela produção e pela venda de bezerros, foi, durante muito tempo, negligenciada pelo produtor, por sua baixa rentabilidade em relação às outras atividades do ciclo. Felizmente, isso vem mudando.

A partir do momento em que o ciclo completo passa a ser enxergado de maneira holística e o pecuarista entende que obter o maior número de bezerros por vaca acasalada (taxa de natalidade) e no maior peso possível na desmama possibilita uma menor fase de recria e, com isso, que os animais sejam preparados para a etapa final de engorda mais rápido, a cria começa a ser exercida de maneira mais sistematizada. Afinal, quanto mais rápido é esse ciclo, maior é o giro em uma fazenda e menor é o custo fixo por animal comercializado.

O estabelecimento de um período de monta auxiliou o produtor a obter melhor eficiência em seu sistema de cria, já que, além de ajustar as outras atividades de manejo, faz com que o momento de maior oferta de alimentos de qualidade seja também o de maior demanda nutricional por parte dos animais, reduzindo, assim, os custos com suplementação.

O sucesso de uma fazenda começa com uma cria bem feita e organizada. Para isso, planejamento, mensuração e gestão são fatores primordiais. E, aqui, a coleta de informações tem papel fundamental porque é a partir desses dados que o produtor tem condições não só de monitorar se os resultados alcançados estão de acordo com o que foi traçado em seu planejamento como também de tomar decisões. Sem números conhecidos, não é possível controlar ou gerenciar o negócio. Os descartes de animais, por exemplo, sem dados concretos, aconteceriam com base somente em percepções e observações, o que, possivelmente, pode impactar a evolução do rebanho e a perda genética.

No processo de evolução do sistema de cria, algumas tecnologias foram sendo adotadas. A principal delas, sem dúvida, é a IATF (inseminação artificial em tempo fixo) porque, além de auxiliar na organização de todo o sistema, aumenta a capacidade reprodutiva das vacas, principalmente em anestro (período onde não há manifestação de cio), e possibilita o uso de touros geneticamente superiores, melhoradores nos rebanhos.

Claro que nenhuma tecnologia isolada é responsável pela conquista de bons resultados. Assim também é com a IATF, que deve estar sempre associada a outras ações importantes na preparação das fêmeas para a estação de monta, como nutrição adequada, prevenção das principais doenças reprodutivas e de parasitoses. De nada adianta inseminar um lote de vacas magras ou debilitadas, já que estão com a saúde comprometida e não responderão aos trabalhos técnicos (IATF) realizados, e, com isso, o retorno ao investimento será menor.

Existem hoje softwares de fácil acesso e utilização para coleta de dados e gestão. Essa tecnologia é fundamental para a fase de cria e condução da IATF, por exemplo.

Diante desse cenário e de muitas variáveis, é imprescindível que o pecuarista, se baseie em muitas informações, diante de dados coletados de seu rebanho, e saiba utilizá-los para tomada de decisão. Para isso, é preciso que ele trabalhe com conhecimento, serviços técnicos e produtos reconhecidamente eficazes. Só assim conseguirá aproveitar melhor os investimentos, atingir seus objetivos e evoluir em suas operações na pecuária.

Fonte: Agroplanning