out 2 2020

Mercado persiste firme


Sophia Honigmann
Médica veterinária e analista de mercado na Scot Consultoria


Mantendo o ritmo das semanas anteriores, as altas no mercado do boi gordo seguem compassadas.
O consumo calmo, típico de final de mês, não foi suficiente para diminuir a dificuldade de compra dos frigoríficos, devido à baixa oferta de boiadas, que, mesmo frente ao aumento gradativo em função da chegada do gado de confinamento, ainda segue insuficiente para pressionar as cotações.
Com a virada do mês e o típico aumento de consumo, a projeção é que o mercado seja pressionado, com possibilidade de novas altas. Porém, com a redução do auxílio emergencial, o consumo de carne bovina pode alterar essa dinâmica no mercado do boi gordo.
As exportações seguem firmes. Até a terceira semana de setembro, os embarques brasileiros de carne bovina in natura somaram 94,36 mil toneladas (Secex). No período, a média diária embarcada foi de 7,20 mil toneladas, 10,2% maior quando comparado ao mesmo período de 2019.
Para curto e médio prazos, cabe observar se o aumento gradual da oferta de gado de confinamento ajudará a acalmar as frequentes altas, com as exportações firmes dando sustentação ao mercado.