jun 4 2020

Preços globais dos alimentos caem pelo quarto mês seguido, diz FAO


Os preços globais dos alimentos caíram pelo quarto mês consecutivo em maio, diante da grande oferta e da demanda enfraquecida devido às contrações econômicas desencadeadas pela pandemia da covid-19, informou nesta quinta-feira a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

O índice de preços da entidade, que rastreia os valores internacionais das principais commodities alimentares, ficou em 162,5 pontos em maio, 1,9% abaixo do mês anterior. Com isso, o índice atingiu a menor pontuação desde dezembro de 2018.

O indicador de lácteos caiu 7,3% em relação a abril, liderado por quedas acentuadas nas cotações de manteiga e queijo devido a fatores sazonais de oferta e menor demanda.

O sub-índice dos cereais caiu 1% na comparação mensal. Os preços internacionais do arroz subiram um pouco, enquanto os preços de exportação do trigo caíram, em meio às expectativas de ampla oferta global. Os valores médios do milho também recuaram.

Os valores médios dos óleos vegetais recuaram 2,8%, para o menor nível em dez meses. “Enquanto as cotações do óleo de canola e de girassol aumentaram, as do óleo de palma caíram pelo quarto mês consecutivo, refletindo uma demanda global de importação moderada e níveis de produção e estoque acima do esperado ”, afirma o texto.

O sub-índice de proteínas caiu 0,8% em maio, com as cotações da carne bovina em alta, enquanto as de carnes de aves e suínos continuaram caindo.

Na outra ponta, o indicador para o açúcar subiu 7,4%. Conforme a FAO, a recuperação nos preços internacionais do petróleo, além de colheitas abaixo do esperado na Índia e na Tailândia, deram base para a commodity.

Valor Econômico