jun 8 2020

Força da pecuária vai impulsionar Brasil para fora da crise, projeta agrônomo


O Giro do Boi desta segunda, 08, exibiu vídeo de uma visita recente que o engenheiro agrônomo Wagner Pires, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária, fez à Fazenda Igarapé, no município de Igarapé Grande, no estado do Maranhão.

A propriedade é uma referência na pecuária de corte para a região, sediando anualmente seu tradicional dia de campo (já foram 19 edições até aqui) para mostrar seu sistema produtivo como caso de sucesso. Relembre no link abaixo entrevista com o proprietário da Fazenda Igarapé, Naum Ryfer:

Além do trabalho exemplar do ponto de vista estritamente pecuário, a fazenda não deixa a desejar na gestão de pessoas. Em meio à pandemia, os funcionários estão todos usando máscaras e álcool em gel para diminuir as chances de contaminação pelo coronavírus na fazenda. “Está todo mundo protegido, usando máscara, álcool em gel. A fazenda não está parando, está tocando, trabalhando. Estamos lidando com o gado, aqui nós estamos fazendo a silagem. Vocês vão ver aqui o processo que a gente tá fazendo e os cuidados que a fazenda está tomando para se proteger do coronavírus”, apresentou Wagner Pires.

“Todo mundo está se cuidando, agora não é por isso que a fazenda vai parar. A fazenda está trabalhando, está produzindo silagem e não para”, reforçou.

“Nessa pandemia a gente está todo o dia a dia no campo, todo dia acompanhando gado, a parição de, embriões de vacas PO, e cada dia mudando lote por lote, fazendo rodeio, mudando (de piquete), botando mineral e assim é a luta do dia a dia”, confirmou Antônio Sousa, que integra a equipe da fazenda. “A gente anda preparado, com máscara, álcool em gel que anda no bolso, todos preparados”, frisou o profissional, responsável direto pelo manejo de cerca de 800 vacas, incluindo fêmeas PO e as receptoras dos embriões, que estão prestes a parir ou a entrar em estação de monta.

Ao testemunhar o trabalho duro da fazenda, Wagner Pires celebrou o fato de que no pós-pandemia, a força da pecuária vai servir de locomotiva para impulsionar o Brasil para fora da crise. “Pessoal, fazenda não pode parar. “O pecuarista precisa entender é que vai passar esse coronavírus e a hora que voltar, a pecuária vai estar com força, com gado gordo para a gente tirar o Brasil da situação que ele está”, projetou.

“Enquanto o Brasil todo está descansando, está dormindo ainda, olha o nosso agronegócio! O nosso agronegócio já está trabalhando, está fazendo silagem, está cuidando do gado, está colhendo e está plantando. Meus amigos, esse é o agro! […] O agro não dorme, o agro não para, o agro produz, põe alimento na boca do brasileiro e do mundo. Então, gente, nós temos que agradecer a Deus que a gente tem um país que é agro. A gente tem que valorizar e respeitar esse produtor. Vamos sair desta crise do coronavírus, se Deus quiser, mas quem vai tirar o Brasil dessa crise é o agronegócio, que não para! Um abraço!”, finalizou.

Canal Rural