nov 13 2019

China autoriza mais 13 frigoríficos do Brasil a exportar a seu mercado


A Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, informou ontem, pelo Twitter, que a China permitiu que mais 13 frigoríficos brasileiros exportem carnes a seu mercado. Foram habilitadas por Pequim cinco novas unidades de carne suína, cinco de carne bovina e três de aves.

“Mais uma notícia muito boa para os produtores, para a pecuária brasileira. É a grande notícia do dia", escreveu a ministra. A China é o principal destino das exportações brasileiras de carnes - já absorve mais de 40% das vendas totais - e suas importações estão em alta por causa da epidemia de peste suína africana que derrubou seu plantel de porcos.

Com as novas autorizações chinesas, o Brasil passou a contar com 46 unidades de carne de frango habilitadas a exportar ao país asiático. No caso da carne bovina, são 37 plantas, e 16 de carne suína. Também há uma unidade de carne de jumento liberada. Ao todo, portanto, já são 100 frigoríficos.

“Nas prévias da realização do encontro do BRICS, a notícia das novas habilitações dá o tom da parceria que China e Brasil estão construindo em prol da segurança alimentar e da ampliação da pauta comercial. Já consolidado como principal fornecedor externo de frango para a China, o Brasil agora deve expandir sua participação nas vendas de carne suína”, afirmou Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em comunicado da entidade.

Segundo a ABPA, nos dez primeiros meses do ano, os embarques brasileiros de carne suína para a China, excluindo Hong Kong, somaram 183,1 mil toneladas, 40% mais que no mesmo período de 2018, e renderam US$ 429,8 milhões, 66% a mais na mesma comparação. Já as vendas de carne de frango atingiram 444,7 mil toneladas, ou US$ 931,7 milhões - aumentos de 22% e 38%, respectivamente.

Por sua vez, as exportações de carne bovina do Brasil para a China, também excluindo Hong Kong, somaram 318,9 mil toneladas de janeiro a outubro, volume 23,2% superior ao de igual intervalo de 2018, e renderam US$ 1,637 bilhão, 36,6% mais, conforme dados compilados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec). (Colaborou Fernando Lopes)

Valor Econômico