set 26 2019

Mercado: exportações de carne vão parar de crescer


As condições do mercado mundial de carne estão extremamente firmes este ano e estarão novamente em 2020. A falta de proteína animal na China obriga a comprar volumes crescentes do produto no mercado internacional. O Uruguai acomodará sua disponibilidade para aproveitar ao máximo essa situação, mas será difícil crescer em volumes exportados devido à queda no fornecimento de animais em idade de abate ou próximo à idade de abate.

Os dados do estoque de bovinos em 30 de junho deste ano, divulgados pelo Ministério da Pecuária, confirmam o esperado: o número de animais em idade de abate ou no próximo sofreu uma queda consistente de mais de 700 mil cabeças do pico de 2016, quase 30% a menos, acentuando o declínio no ano passado. A soma de novilhas e novilhos de mais de dois anos, juntamente com as vacas , deu 1,83 milhão de cabeças no meio do ano atual; Em um ano, essas categorias caíram 272 mil cabeças (-13%).

Com base nessa queda, o escritório do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) em Buenos Aires, que projeta anualmente o volume de produção e exportação de carne bovina do Uruguai para o ano seguinte, considera que haverá uma queda no quantidade de animais abatidos e, portanto, também na produção de carne bovina. Isso parece, agora, inevitável.

Da indústria de frigorífica, foi projetada uma diminuição no número de animais abatidos para 2018 e 2019 que até agora não foi confirmada, pelo menos não significativamente (o abate anual acumulado até agora do atual contrato menos 3% ao ano). No entanto, dada a disponibilidade de animais passíveis de abate, certamente – se não houver um retrocesso climático significativo – em 2020, haverá uma queda.

Mas esse declínio na produção terá um impacto menor nos volumes de exportação. As vendas externas para o ano civil de 2020 são projetadas em 450 mil toneladas de peso de carcaça, um pouco abaixo das de 2019, informou o USDA. O aumento na importação de carne, juntamente com uma redução planejada na demanda doméstica, compensará parcialmente a redução na produção, permitindo que o volume exportado permaneça praticamente inalterado.

Até agora, em 2019, a importação de carne bovina atingiu volumes historicamente altos. O Uruguai se tornou um destino relevante para os exportadores da região. Tanto que se tornou o segundo destino mais importante para a carne refrigerada exportada pelo Brasil, perdendo apenas para o Chile, o principal importador regional.

O Uruguai está se comportando como vários países desenvolvidos, no caso dos Estados Unidos e do Canadá, que importam carne menos valiosa e aumentam o saldo exportável de carne mais valorizada. A diferença no preço das matérias-primas no Uruguai e no resto da região suporta esse fluxo comercial, principalmente do Brasil. O valor médio do macho para abate no Brasil varia de US $ 2,40 por quilo de carcaça, bem abaixo dos mais de US $ 4 pagos pelo boi especial de exportação no Uruguai. Essa corrente de importação, longe de diminuir o preço de venda do gado para abate, permite uma melhor avaliação disso quando é entregue ao mercado internacional, enquanto o consumidor local pode acessar um produto a um preço mais baixo.

Além disso, o USDA prevê uma queda na demanda doméstica para o próximo ano, levando em consideração que a economia uruguaia está estagnada há vários trimestres e que, provavelmente, o novo governo que assume a partir de 1º de março deve realizar um ajuste para tentar reduzir o alto déficit fiscal de quase 5% do PIB.

Em resumo, até 2020, o que se espera é que boa parte da queda na produção devido à menor disponibilidade de matérias-primas seja compensada pelo maior volume de importações e uma redução na demanda doméstica, permitindo que as exportações permaneçam em níveis semelhantes aos deste ano. Mas eles não podem crescer.

BeefPoint