ago 4 2019

Leitores se dividem quanto às declarações de ex-ministro da Agricultura


O jornalista da Folha tentou a todo custo uma crítica e, para sua desilusão, só houve elogios à gestão atual (“Às vezes é preciso radicalizar para o outro lado, diz ex-ministro da Agricultura”, Mercado, 2/8). Luiz dos Santos (São Paulo, SP)
*
É uma pena que homens tão inteligentes quanto o ex-ministro Roberto Rodrigues se prestem à tarefa de puxar o saco do poder na olímpica altura dos 70 anos. A médio e longo prazos, a adesão do agronegócio ao modelo predador vai significar isolamento e perda de pontos políticos junto à sociedade brasileira. Jaques Brand (Curitiba, PR).
*
Manter no comando da Agricultura os defensores do modelo “celeiro do mundo”, que já era o da ditadura, foi um erro do governo Lula. Anselmo Tadeu Ferreira (Campinas, SP).
*
A senhora ministra da Agricultura deveria experimentar todos os agrotóxicos que passaram de extremamente tóxicos para a categoria abaixo (“Regra nova faz agrotóxicos extremamente tóxicos irem de 702 a 43”, Ambiente, 2/8). Assim como outros técnicos que aprovaram esse absurdo. Se doses e prazos já não eram cumpridos, imagine agora. Marisa Oliveira (Curitiba, PR).
*
Os extremos são iguais. O PT diminuiu a renda mínima para uma família ser da classe média e disse que tirou milhões da pobreza. Os bolsonaristas mudam a classificação dos agrotóxicos para dar lucro aos ruralistas sem dizer o que realmente fizeram.
José Geraldo da Costa Leitão (Florianópolis, SC).
*
Kudzu é uma planta originária do Japão levada para os EUA no século 19 para controlar a erosão. O kudzu cresce rapidamente, invade montanhas, bloqueando a luz solar, suga os nutrientes e a água das árvores, que vão morrendo asfixiadas. Uma erva daninha difícil de ser exterminada e que deixa uma paisagem desoladora. O kudzu chegou ao Brasil e está devastando tudo numa velocidade incrível. É preciso que os brasileiros descubramos como deter seu avanço. Ernani Terra (São Paulo, SP).

Folha de São Paulo