jul 18 2019

Fazenda Futuro, de "carne vegetal", recebe aporte de US$ 8,5 milhões


SÃO PAULO - A startup brasileira Fazenda Futuro, que produz carne feita à base de vegetais, captou US$ 8,5 milhões em sua primeira rodada de investimento externo. O aporte foi liderado pelo fundo Monashees e seguido pelo Go4it Capital, braço de venture capital da empresa de gestão de ativos esportivos fundada por Marc Lemann — filho do investidor Jorge Paulo Lemann.

Criada há três meses, a Fazenda Futuro elevou seu valor de mercado para US$ 100 milhões depois da rodada de investimento. Atualmente dono de um portfólio de 68 empresas (46 no Brasil e 14 na América Latina), o fundo brasileiro Monashees, criado em 2005, já investiu em mais de 90 startups, das quais três se tornaram unicórnios (avaliadas em mais de US$ 1 bilhão): os aplicativos de entrega Rappi e Loggi, e o aplicativo de mobilidade urbana 99, mais tarde comprado pela chinesa Didi Chuxing.

De acordo com Marcos Leta, sócio da foodtech ao lado de Alfredo Strechinsky, o dinheiro ajudará a acelerar a ampliação da estrutura da fábrica, instalada em Volta Redonda, no Rio de Janeiro. “A expansão, antes prevista para 2022, é esperada, agora, para o fim de 2020”, diz Leta.

A maior parte do investimento será usada para aumentar a quantidade de maquinário e desenvolver novos produtos e novas tecnologias. Nos próximos 60 dias, a empresa irá lançar carne moída e almôndega, que serão vendidos na rede de restaurantes Spoleto. Mais à frente, os sócios esperam produzir uma salsicha de proteína vegetal.

A ampliação comercial também deverá ser impulsionada pelo investimento. A meta da Fazenda Futuro é conseguir mais pontos de vendas em cidades do interior dos Estados do Sudeste, onde a empresa já atua mais fortemente, e chegar às capitais de pelo menos 20 Estados nos próximos meses.

Valor Econômico