jun 28 2019

Cenário positivo para os preços da arroba nos próximos meses começa a se consolidar com desequilíbri


No mercado do boi gordo, a tendência é de um cenário positivo para as referências da arroba nos próximos meses por conta do desequilibro entre a oferta e demanda. A expectativa é que os valores fiquem próximos de R$ 170,00/@ no estado de São Paulo.

De acordo com o Presidente Comissão de Pecuária de Corte da FAEG e Presidente da Associação Goiana dos Produtores de Novilho Precoce, Maurício Velloso, o pecuarista precisa entender que as indústrias trabalham com estratégias próprias. “Os pecuaristas precisam ter as estratégias deles, e para isso, é fundamental que o produtor tenha ração 365 dias por ano na fazenda”, afirma.

A liderança ressalta que o Brasil teve um aumento no consumo interno de carne bovina. “Atualmente, o brasileiro está comendo um volume maior de carne do que comia em 2014, na qual foi registrado o recorde consumo per capita por pessoa em toda a história da pecuária brasileira. Em 2019, eu acredito que já passamos dessa estimativa de 42 kg por pessoa”, comenta.

Com relação à dependência da China, Velloso ressalta que o risco é muito grande o Brasil depender apenas de um país. “Sabemos que a quantidade de ovos deve ser distribuída por um maior número de cestas para evitar que uma se quebrando tudo se quebre. Então, 41% das exportações estarem na mão apenas da China e Hong Kong e precisamos continuar neste processo de angariar mais parceiros para a exportação”, ressalta.

O mercado do boi vive um cenário em que a oferta não consegue atender de forma plena o aumento da demanda externa e interna. “Para isso é necessário que o pecuarista adote mais tecnologias e a correta suplementação. Por outro lado, o produtor não vai adotar um sistema que o custo de produção será maior se não tiver uma garantia de preços que o remunere”, diz.

Além disso, é preciso que o governo federal dê mais atenção às indústrias frigoríficas de pequeno e médio porte. “Para que as mesmas condições ofertadas pelos três grandes frigoríficos também se reflita para os pequenos e médios. Diante disso, irá fortalecer a cadeia produtiva como um todo com o acesso ao crédito e as negociações com clientes estrangeiros”, destaca.

Notícias Agrícolas