abr 3 2019

Ranking Leite Brasil: maiores empresas cresceram 1,2% em 2018


Foi divulgado nesta semana pela Leite Brasil o resultado do 22º Ranking das Maiores Empresas de Laticínios do Brasil no ano de 2018. A pesquisa neste ano apresentou os dados das 13 maiores empresas do setor que tiveram um crescimento de 1,2% na captação de leite, somando um total de 7,5 bilhões de litros (cerca de 20,7 milhões de litros diários). No levantamento anterior, figuraram 14 empresas, incluindo a CCPR/Itambé, cujas informações não constam no ranking de 2018).

A estimativa da capacidade instalada de processamento de leite das empresas do ranking 2018 foi de 10,4 bilhões de litros ao ano (cerca de 28,5 milhões de litros diários); assim, os 13 maiores laticínios utilizaram cerca de 72,6% da sua capacidade em 2018. Vale destacar que em 2017, a capacidade utilizada foi de 62,1%, o que indica uma redução na ociosidade das indústrias (no gráfico 1, apresentamos a evolução da utilização de capacidade das empresas participantes do ranking).

Segundo Roberto Jank, vice-presidente da Leite Brasil, 2018 se configurou como mais um ano no qual o setor mostrou uma estagnação ou pequeno crescimento. “Por meio do levantamento notamos que por mais um ano andamos de lado. Esses 13 laticínios representam aproximadamente 30% da produção formal de leite no Brasil e basicamente eles não mudaram consideravelmente o percentual de leite total. Pelo 5º ano consecutivo, a captação expandiu ligeiramente”, disse.



A produção diária do produtor médio destas empresas cresceu 6,4% - crescimento menos vigoroso que os 7,1% do ano anterior, porém, maior que os 5,4% de 2016. A média de produção por produtor foi de 411 litros/dia contra 387 litros/dia do levantamento de 2017. Também vale destacar que no ranking de 2017, o número de produtores fornecedores havia caído 5% e em 2018, a queda foi menor, de 3,2%.

Gráfico 2. Evolução do volume médio (litros/dia) dos produtores das empresas participantes do ranking da Leite Brasil, elaborado pela Equipe MilkPoint.



Em primeiro lugar no ranking, a Nestlé viu a sua captação recuar 4,6%, com uma média de 1,6 bilhão de litros. Assim como no ano anterior, Laticínios Bela Vista (Piracanjuba) e UNIUM (Intercooperação de Lácteos das Cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, todas no Paraná) se posicionaram no segundo e terceiro lugar, respectivamente ambas com crescimento, de 4,9% e 0,3%.

É interessante notar que a Nestlé, mesmo com redução de 22,9% no número de produtores de leite, aumentou em 12,6% a produção de leite por produtor/dia, o que mostra que a empresa vem focando em fornecedores mais produtivos e profissionais. O mesmo ocorre com a UNIUM, que teve queda de 12,1% no número de produtores, mas os litros de leite por produtor/dia expandiram 22,3%.

O maior crescimento na recepção de leite, de 56,3% em relação ao volume verificado em 2017, ficou com a Cativa (Cooperativa Agro-Industrial de Londrina), 10ª colocada no ranking em 2018. Vale lembrar que a cooperativa anunciou no ano passado oficialmente a aquisição de 100% das cotas da Confepar (Agroindustrial Cooperativa Central) a qual pertencia. Além da Cativa, integravam a Confepar outras quatro cooperativas: Colari, Copagra, Cofercatu e Coopleite. Todas foram fundidas e agora integram a Cativa.

Em quarto lugar em 2017, a CCPR/Itambé não participou do levantamento de 2018, dando lugar a Embaré, que mesmo com redução na captação de 4,7%, assumiu o posto. Nesta semana o MilkPoint publicou uma matéria na qual destaca que a Lactalis – que não participa do levantamento há dois anos - está prestes a assumir a CCPR/Itambé. A liminar em favor da Lactalis não é definitiva e uma decisão final deverá ser tomada no segundo semestre deste ano. Contudo, sinaliza a tendência de um desfecho favorável à empresa francesa.

Gráfico 3 – As 13 maiores empresas de laticínios segundo o ranking Leite Brasil (milhões de litros processados em 2018). Fonte dos dados: Leite Brasil, elaborado pela Equipe MilkPoint.



Em número de produtores de leite e igual ao que ocorreu em 2017, o Laticínios Bela Vista foi novamente a empresa com maior quantidade de fornecedores em 2018, totalizando 8.030 produtores de leite e crescimento de 21,1% quando comparado ao ano anterior. Na sequência, são apontadas Aurora (com 4.900 produtores; -11,2% comparado a 2017) e CCGL (4.123 produtores; -4,2% comparado a 2017). A tabela 1 abaixo apresenta o ranking das empresas por número de produtores.

Também, é interessante destacar que além da Piracanjuba, no ranking deste ano, os únicos laticínios que apresentaram crescimento no número de produtores foram a Danone (23,9%), a Cativa (15,5%) e DPA Brasil (11,5%).

Tabela 1 – Ranking dos 13 maiores laticínios por número de produtores em 2018. Fonte dos dados: Leite Brasil, elaborado pela Equipe MilkPoint.



Na quantidade de litros captada por produtor a Danone permaneceu apresentando a maior média, com 1.665 litros/produtor/dia. Este volume é 28,1% inferior ao ano de 2017, mas, 10,5% superior ao segundo colocado, a UNIUM, que teve média de 1.498 litros/produtor/dia e inclusive, o maior crescimento neste item dentre as outras empresas, de 22,3%. Queda na captação diária de leite por produtor foi verificada - além da Danone - na Centroleite (-7,7%), DPA Brasil (-3,5%) e Frimesa (-1,5%).

Tabela 2 – Ranking dos 13 maiores laticínios por litros/produtor em 2018. Fonte dos dados: Leite Brasil, elaborado pela Equipe MilkPoint.



Abaixo é possível conferir o ranking dos maiores laticínios do Brasil na íntegra.



*Lactalis, CCPR/Itambé, Italac e Tirol não figuraram no Ranking Leite Brasil desse ano, embora o volume processado pelas empresas certamente as colocaria entre os maiores laticínios.

Equipe MilkPoint, com informações da Leite Brasil.