mar 26 2019

EUA marcam para junho visita a frigoríficos no Brasil


O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) enviará uma missão sanitária ao Brasil entre os dias 10 e 28 de junho para avaliar a possível reabertura do mercado americano à carne bovina in natura do país, conforme antecipado ontem pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.

Ontem, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, informou o presidente Jair Bolsonaro sobre a vinda dos técnicos do governo americano. Somente após a inspeção aos abatedouros é que os EUA poderão dar a palavra final ao Brasil.

"Temos que fazer nossa parte, mostrar que estamos fazendo tudo direitinho e que as plantas visitadas cumprem todos os requisitos. Mas a visita ao Brasil é o primeiro passo para a reabertura desse mercado, que esperamos reabrir ainda neste ano", disse Tereza ao Valor.

A vinda dos técnicos americanos ao Brasil foi costurada durante a visita do presidente Jair Bolsonaro aos EUA, na semana passada. Após o encontro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, os dois países anunciaram, em comunicado conjunto, avanços nas negociações para abertura de mercados agrícolas.

No caso da carne bovina in natura, os frigoríficos estão proibidos de exportar ao país desde junho de 2017. Na ocasião, os americanos suspenderam as compras do produto brasileiro após detectarem abscessos (acúmulo de pus) em lotes de carne provenientes do Brasil. Os problemas foram associados a uma reação do gado à vacina contra o vírus da febre aftosa, o que levou o Ministério da Agricultura a modificar a composição da vacina.

Desde então, o Ministério da Agricultura vem tentando convencer os americanos a reabrir o mercado. O então ministro, Blairo Maggi, chegou a prometer a abertura, mas as tratativas esbarraram no resistência dos pecuaristas dos EUA.

Até o fim do ano passado, o Ministério da Agricultura vinha declarando que não havia mais pendências sanitárias e que o fim do embargo dependia apenas de tratativas políticas entre os governos. Antes mesmo da viagem de Bolsonaro a Washington, porém, o USDA sinalizou que a última inspeção a frigoríficos brasileiros havia completado um ano e que seria preciso uma nova auditoria in loco, como adiantou o Valor.

Embora sejam grandes produtores de carne, os Estados Unidos possuem um mercado consumidor potencial para os cortes do dianteiro - muito demandados para a produção de hambúrguer.

Fonte: Valor