dez 17 2018

Trabalho de consolidação e abertura de novos mercados deve continuar, diz Maggi


O trabalho de consolidação e de abertura de mercados internacionais precisa ser mantido pelo próximo governo, afirmou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. "Sugeri à Tereza Cristina (futura ministra) que ela faça viagens logo no início do seu mandato, principalmente aos países árabes e à China", afirmou Maggi. Declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro relativas às relações internacionais já deixaram preocupados dirigentes da China, da Argentina e dos países árabes, importantes parceiros comerciais do Brasil no segmento de agronegócio.

"Durante a minha gestão eu fiz seis viagens à China", disse Maggi. "É importante manter mercados, ir e conversar. O olho no olho é muito importante; transmitir que os queremos como parceiros", afirmou. Maggi criticou, ainda, tentativas de se fazer enfrentamento geopolítico, mas não entrou em detalhes. "Nós não temos essa questão de geopolítica. Não temos condição de ser o líder do mundo, então, por que vamos fazer um enfrentamento?", questionou. "Você criar um ambiente ruim significa criar um ambiente ruim para nossas empresas, o que vai bater lá no último, que são os (produtores rurais) integrados", afirmou.

Maggi criticou, ainda, a tentativa de mudar o nome do ministério que hoje é Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ou Mapa, pela sigla. "Particularmente sou contra. Até chinês que tem dificuldade de falar português consegue falar Mapa. Acho uma perda de identidade muito grande", afirmou. Ele considerou que a mudança no nome geraria custos, já que seria necessário realizar uma série de mudanças em pequenos detalhes, inclusive em embalagens de alimentos que levam o selo do ministério. "Mas nem me atrevi a falar com a ministra sobre esse assunto. Mas se Bolsonaro pediu pra brecar, vou cumprimentá-lo por isso", completou.

Por fim, o ministro informou que o episódio da Operação Carne Fraca ainda não foi totalmente superado e que novas fases podem ocorrer. Ele lembrou que até hoje não foi divulgada a lista de até 300 servidores da pasta que estariam sendo investigados por envolvimento em supostas irregularidades no processo de inspeção animal. A lista foi citada pelo empresário Wesley Batista, da JBS, em depoimento durante delação premiada feita ao Ministério Público. Segundo o empresário, a companhia pagaria servidores para trabalhar fora do expediente em suas plantas de abate animal. "A não divulgação da lista da JBS (fiscais agropecuários) é um problema pra gente e terá de ser resolvido", concluiu.

Fonte: Globo Rural