set 6 2018

O boi, o dólar e a margem da pecuária nos próximos meses


Segundo o relatório Focus (material compilado e divulgado pelo Banco Central), publicado no dia 5 de janeiro de 2018, a expectativa era de que o produto interno bruto brasileiro (PIB) crescesse 2,69% neste ano. Já no relatório divulgado no dia 31 de agosto, a previsão de crescimento neste ano, caiu para 1,44%.

A perspectiva de um PIB menor do que o projetado no início do ano mostra a dificuldade do país em retomar o crescimento econômico, o que poderá limitar o consumo de alimentos.

E, associado a essa desaceleração, o real desvalorizado frente ao dólar encarece os produtos importados.

Com esse câmbio, o custo de produção aumentou. A alta da cotação dos alimentos concentrados (+20,5%), principalmente milho, que subiu 33,6% de janeiro a agosto, e a dos fertilizantes (+5,6%), destacaram-se dentre os componentes do custo de produção.

Variação percentual dos preços dos itens que compõem o custo de produção da pecuária, de janeiro a agosto de 2018.

Mesmo com a queda de preço dos combustíveis, de janeiro a agosto o custo de produção subiu 3,5%, enquanto no mercado do boi gordo as cotações caíram 2,4%, recuaram 3,6% para o bezerro de 6@ e 5,8% para o boi magro de 12@, considerando também a variação da média mensal entre os preços de janeiro e agosto.

E, apesar das reações registradas nas últimas semanas, tanto para o boi gordo quanto para os bovinos para reposição, a alta do custo de produção diminuiu a margem da pecuária em 2018.

Variação de preços da arroba do boi gordo, do bezerro de desmama (6@), do boi magro (12@) e do índice de custo de produção, entre janeiro e agosto de 2018. Janeiro de 2018 = base 100.

A expectativa é que o mercado do boi gordo continue ganhando força nas próximas semanas. E, caso essa expectativa se consolide estimulará a demanda de recriadores e invernistas e dará sustentação para o mercado de reposição. Porém, embora a perspectiva seja de valorização no mercado do boi gordo e de reposição, os custos também devem seguir em alta.

O dólar acima de R$4,00 favorece as exportações (principalmente de milho e soja) e encarece as importações (adubos), o que deve manter os custos de produção em alta no último quadrimestre de 2018.

Ou seja, a margem da atividade pecuária estará pressionada. Portanto, o equilíbrio entre custos x preço da arroba deverá ser a preocupação até o fim de 2018

Fonte: Canal Rural