jun 11 2018

Identificação animal facilita manejo diário do rebanho leiteiro


Com um mercado cada vez mais exigente, os elos da cadeia alimentícia passaram a se preocupar em garantir produtos seguros e de qualidade. Por isso, o rastreamento com informações que trazem a origem e o histórico dos animais leiteiros, por exemplo, se tornou foco de atenção para a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, que utiliza sistemas de identificação e monitoramento em parceria com a Allflex, líder mundial em identificação de animais.

Todo animal registrado pela Girolando, inclusive os participantes da Megaleite, evento que será realizada entre os dias 20 e 23 de junho, em Belo Horizonte (MG), possuem um brinco de identificação com o número de registro, que atende as especificações do Serviço de Registro Genealógico, custeado pela Associação.

“Essa iniciativa tem como objetivo conscientizar os produtores e incentivá-los a investir na tecnologia. Procuramos mostrar para os criadores os benefícios de utilizar os brincos como uma forma de identificação dos animais, principalmente pela agilidade e segurança na identificação que a utilização do brinco proporciona. Outra vantagem é a praticidade na aplicação, quando comparado com outros métodos de identificação”, explica o superintendente técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Leandro Paiva.

IMPLANTAÇÃO DE MEDIDAS NO BRASIL

No caso do Brasil, medidas de identificação individual (rastreabilidade) vêm sendo implantadas de forma gradativa, sendo atualmente exigida para bovinos destinados à exportação para o mercado Europeu.

A Girolando, no entanto, se antecipa à obrigatoriedade, pois, segundo o superintendente, a identificação animal é um grande facilitador no manejo diário do rebanho. Além de trazer maior segurança quanto à correta identificação dos animais, Paiva acredita que é uma importante ferramenta utilizada para o monitoramento do rebanho.

“Quando se tem agilidade na identificação dos animais, se ganha tempo na tomada de decisões e isso tem impacto direto no desempenho do rebanho e, consequentemente, auxilia na obtenção de um maior retorno econômico”, aponta Paiva.

Um dos fatores que resultou na escolha da Allflex como empresa parceira da Girolando é o fato de ser referência mundial em identificação e monitoramento animal.

“Seus produtos possuem o que há de melhor em tecnologia. Utilizamos os produtos Allflex há anos em nosso serviço de registro genealógico”, afirma o executivo.

USO DE TECNOLOGIA

A identificação eletrônica de bovinos faz uso de softwares para o acompanhamento eficiente das características genéticas e para a obtenção de um melhor controle sanitário, reprodutivo e nutricional dos animais.

Esse tipo de identificação envolve o uso de brincos eletrônicos que, quando acionados, emitem um sinal eletromagnético com a numeração do animal, que é recebida por um sistema de computação que identifica, sem erros, a presença do animal naquele rebanho.

Segundo o gerente comercial da Allflex, Ivo Martins, diariamente a pecuária é desafiada a adotar mais tecnologias para trabalhar de forma mais eficiente.

“Temos a oportunidade de oferecer aos produtores tecnologias de última geração que podem impactar diretamente na forma de fazer a gestão do seu negócio, uma vez que os sistemas de monitoramento podem ajudar o produtor a identificar problemas e tratar animais da forma e no tempo corretos, melhorando índices reprodutivos, de sanidade e, consequentemente, os resultados financeiros da propriedade”, destaca Martins.

MEGALEITE 2018

A Allflex estará na Megaleite 2018, que será entre os dias 20 a 23 de junho, no Parque da Gameleira, na capital mineira. O evento é sede da 29ª Exposição Nacional da Raça Girolando e o 29º Torneio Leiteiro Nacional de Girolando. Haverá ainda exposições das raças Gir Leiteiro, Holandês, Pardo-Suíço, Jersey e Guzerá. A expectativa é que comitivas de diversos países passem pela feira, que terá em sua programação cursos, leilões, palestras, dentre outros eventos.

Além dos sistemas de identificação, a Allflex destacará, durante a Megaleite, os sistemas de monitoramento, que consistem em colares colocados no pescoço do animal e que captam sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca, enviando os dados automaticamente a um software de gestão.

“Por meio do colar, podemos correlacionar o aumento da atividade e queda da ruminação com o cio, apresentando o melhor horário para inseminação, queda da ruminação e atividade para a correlação com possíveis problemas de saúde e a ofegação indicando a porcentagem do lote que está em estresse calórico, acompanhando cada animal de forma individual para melhor eficiência da fazenda, otimizando as atividades dos funcionários”, exemplifica Luciano Lobo, gerente de monitoramento para Brasil e Latam da Allflex.

SALA DE ORDENHA

O sistema de monitoramento da Allflex também controla e monitora a sala de ordenha, por meio de automação, coletando automaticamente dados abrangentes sobre o status de cada vaca do rebanho.

Em seguida, processa essas informações, apresentando-as em relatórios e alertas em tempo real, totalmente personalizáveis e fáceis de entender. O software fornece aos administradores de rebanhos e ordenhadores ferramentas projetadas para ajudá-los a administrar suas tarefas diárias e melhora a lucratividade.

Fonte: Alltech com edição d’A Lavoura