mar 22 2018

Cuidar da água, cuidar do futuro


Comemoramos no dia 22 de março o Dia Mundial da Água, com muito orgulho porque o Brasil sediou o Fórum Mundial deste bem natural essencial à vida. O mundo todo esteve em Brasília para discutir formas de cuidar dos recursos hídricos. E se este já é um tema importante, é ainda mais para nós do setor agropecuário.


A água é benção. Quando bem cuidada, é fertilidade. Deve ser preservada. Cuidar da água é cuidar de um bem fundamental para a agricultura, é semear o futuro. Nós no Brasil somos privilegiados por possuirmos 13% da água superficial doce de todo o mundo, por termos a terceira maior reserva de água potável do mundo, o Aquífero Guarani.


Porém, isso não está perfeitamente distribuído, a disponibilidade não encontra a demanda, o que torna essencial racionalizar o uso da água. 81% da disponibilidade dessa água está na região do Amazonas, área pouco adensada e povoada. Enquanto isso, o litoral brasileiro tem 45% da população e apenas 3% da disponibilidade hídrica.


Cuidar da água é uma obrigação de hoje para o futuro. Nós podemos ter uma grande vantagem competitiva e comparativa em relação aos outros países do mundo por termos reservas de água em abundância, desde que nós preservemos e respeitemos esse recurso natural.


Esta não é uma realidade mundial. Segundo entidades como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Agência Nacional de Águas (ANA), dos 7,6 bilhões de habitantes, 1 bilhão não têm acesso à quantidade de água suficiente para o abastecimento mínimo diário (20 litros) perto de casa. 1,6 bilhão vivem em lugares onde não há estrutura capaz de captar água devidamente. 2 bilhões de pessoas no mundo vivem em áreas de escassez de água e cerca de 5 bilhões vivem em locais com água escassa ao menos um mês ao ano. E o futuro promete ser preocupante se nada for feito: até 2030, 47% da população viverá em condições de alto estresse hídrico.


Como legislador, tratei desse tema quando fui constituinte de São Paulo, relator do anteprojeto da Constituição. Foi quando introduzimos na Constituição o conceito de bacias hidrográficas para planejar e disciplinar o uso desse bem, olhar com cuidado para algo tão necessário para a vida humana como é a água.


Agora, como secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado, tenho tomado medidas e adotado ações para pode racionalizar o uso da água e ampliar a irrigação de uma forma mais eficiente. Adotar critérios de reservação de água da chuva e utilizá-la para poder irrigar as nossas culturas, por exemplo.


Os benefícios do uso racional vão além das cercas das fazendas. Para a agroindústria, está em jogo o acesso a matérias-primas, fazendo empresas do setor se moverem em busca de soluções. O acesso a técnicas de precisão, normalmente restritas a grandes propriedades, tem chegado como novidade para melhorar também o padrão da agricultura familiar. É a democratização da tecnologia que economiza.


No Estado de São Paulo, orientados pelo governador Geraldo Alckmin, desenvolvemos ações como o Projeto Nascentes de Holambra e de Botucatu/Pardinho, que delega ao produtor rural a responsabilidade, muito bem cumprida por ele, de produzir água ao reflorestar as nascentes e as beiras dos rios.


Em Holambra, já possibilitou o plantio de mais de 27 mil mudas de essências nativas nas matas ciliares e no entorno das nascentes, além dos serviços de terraceamento em uma área de 258 hectares e a subsolagem de 92,96 hectares. Também já foram recuperados 43,56 quilômetros de estradas rurais, evitando a erosão e assoreamento dos rios e facilitando o escoamento da produção de flores e demais produtos agrícolas da região.


Também já distribuiu e instalou 166 fossas biodigestoras junto às propriedades rurais do município, e 14.236 mil m² de lonas para a impermeabilização de tanques de captação de águas de chuva, que já foram entregues à Associação de Agricultores Familiares de Holambra (AAFHOL).


Em Pardinho, somente em áreas de nascentes, a estimativa do Projeto é proteger mais de 245 hectares ou 2 milhões de metros quadrados no entorno dos cursos d´água das microbacias do Rio Pardo, Ribeirão Água da Madalena, Córrego da Água Clara e Córrego Panfílio Dias, que alimentam o reservatório do Mandacaru, responsável pelo abastecimento de 100% da população do município.


Em Holambra temos um ótimo exemplo para o Brasil: o primeiro município com 100% de esgoto rural. Um sucesso que motivou a ampliação desta iniciativa tão importante para outros dois municípios: São Sebastião da Grama, já com 42 propriedades participando do Programa. Os municípios de Itapira e Pedreira são os próximos a iniciar as adesões ao Nascentes.


Também orientamos nosso agricultor com a cartilha gratuita “Uso racional da Água na Agricultura”, destacando monitoramento meteorológico, como cuidar do solo e da água, oferecendo linhas de financiamento para esse cuidado, e oferecendo soluções tecnológicas que reduzem o consumo. São alternativas e possibilidades para o futuro motivadas pelo pensar o presente e compreender que cuidar da água é cuidar da Terra.


São atitudes como esta que fazem a diferença, mostrando que cuidando e racionalizando nós podemos ter esse bem abundante sempre para todos e para o desenvolvimento do nosso País e do mundo.


Vamos cuidar da água!